sexta-feira, 3 de maio de 2013

Afro-resistente (Poema de Francisco Ferreira)


Afro-resistente

(Francisco Ferreira)

Há milênio que toco tambor
... e a vingança de minha avó
erve em banquetes
orelhas rivais...
Sinhazinhas precipitam-se
em amores e descendências mestiças.
Chibatas abriram caminhos
para íncubos louros
sugarem os peitos pretos
da minha mãe
condenando-me e à minha raça
a mamar o doce mel da cachaça
espaventando banzos e maus-olhados
em todas as encruzilhadas tupiniquins...

Mas sobrevivi e, estou aqui,
a rir de tua cara de surpresa...

Em Betim, em algum momento de 2013.
Postar um comentário