domingo, 26 de agosto de 2012

Brasil na II Guerra Mundial

Na linha de frente: a história da primeira tropa a lutar na Itália

estadao.com.br (© Grupo Estado - Copyright 1995-2010 - Todos os direitos reservados.)

Atualizado: 25/08/2012 17:02 | Por Marcelo Godoy, estadao.com.br



Na linha de frente: a história da primeira tropa a lutar na Itália
"Homens mexem em morteiro de 81 mm"
Chovia no dia em que o tenente José Maria Pinto Duarte morreu. A temperatura oscilava de 10°C a 12°C nas montanhas toscanas cortadas pelo Rio Serchio. Fazia 15 dias que o avanço brasileiro não se detinha em obstáculo, fosse alemão, italiano ou geográfico. O capitão Atratino Cortês Coutinho e seus homens haviam se instalado em uma casa de grossas paredes de pedra. Dormiam quando começaram a ouvir vozes na madrugada. Eram do inimigo.
De repente, um tiro de carabina. A bala tombou um alemão que descia a colina em direção à ravina atrás da casa dos brasileiros. Atratino, comandante da 1.ª Companhia de Petrechos Pesados (CPPI), foi o autor do disparo que instalou o inferno na paisagem. A resposta veio das metralhadoras alemãs. Tiros encurralaram o capitão e sua tropa. Havia uma única saída: fugir pela janela dos fundos. Todos passaram. Chegou a vez de Duarte. Ao pular, balas lhe alcançaram o corpo. Uma rajada apanhou o tenente no ar.
Começava um dos mais duros dias da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália. Em 31 de outubro de 1944, os homens de Atratino dispararam 13,7 mil cartuchos de metralhadora, além de 200 tiros com fuzis e carabinas. Seus morteiros despejaram 158 granadas de 81 mm para conter os alemães.
Diário. Cada detalhe da ação da 1.ª Companhia - que pertencia ao 6.º Regimento de Infantaria e tinha 166 homens, a maioria paulistas - está no diário de campanha de Atratino. Dois volumes mostram o dia a dia da unidade. Lá está a morte de Duarte, que marcou os homens da 1.ª Companhia. Os tiros do inimigo não permitiram que o corpo do oficial fosse resgatado e enterrado.
"O Atratino tentava arrastar, mas ele (Duarte) era muito alto, pesado, era difícil... Lembro quando (Duarte) falou: 'Cuidem bem da minha filha', como uma súplica", diz João Gonzales, de 92 anos, à época 3.º sargento. Atratino não se conformava. Montou duas patrulhas para encontrar o corpo. Sem sucesso. Cansado, escreveu: "O moral da tropa foi abalado pelos insucessos causados pelo contra-ataque inimigo". A ideia de que era preciso enterrar Duarte atormentaria o capitão até o fim da guerra.
Dias depois do contra-ataque alemão, a companhia foi transferida com a FEB do Vale do Serchio para o do Reno, no centro dos Montes Apeninos. E ficou na retaguarda em Porreta Terme. No dia 15, voltou à linha de frente em um vilarejo cortado pela estrada 64. Era Riola Vecchia.
Missão. Cinco dias depois, às 4h30, Gonzales recebeu uma missão: restabelecer a linha telefônica entre a 1.ª Companhia e outra unidade do batalhão interrompida pela artilharia alemã. Todo dia ela despejava bombas na tropa brasileira. Gonzales levou três subordinados para ajudá-lo. Em meio a explosões de granadas, ele telefonou para o comandante. "Disse que era praticamente impossível prosseguir e ele disse: 'Ô, rapaz, você nunca mostrou medo, agora está com medo?' Falei: 'Medo não tenho, mas tô colocando em risco minha vida'." O capitão respondeu: "Vê o que você pode fazer".
Gonzales andou mais 200 metros na escuridão. De repente, um clarão. "Quando cai a bomba, aquela luminosidade. A gente fica cego, não enxerga nada." A granada explodiu poucos metros à frente do sargento. Gonzales foi ao chão. Começou a se debater. Olhou para os lados, não viu ninguém. Percebeu três furos no capote, sentiu sangue escorrer. Pensou que seria seu fim. "Fiquei ali com uma hemorragia tremenda, sem poder levantar. Fazia esforço, mas não conseguia, não conseguia."
Devagar, Gonzales recuperou a força e "se safou dessa". Foi para o hospital. De internação em internação, três anos se passariam. No acampamento de Riola Vecchia, deixou amigos, como o sargento Newton Lascalea, de 91 anos. "Também fui ferido. O estilhaço rasgou meu casaco e cortou meu braço." Lascalea permaneceu até o fim da guerra com a companhia, que participou da tomada de Castelnuovo, combateu à leste de Montese, esteve nos combates de Zocca e participou do cerco aos alemães em Fornovo di Taro. Com a rendição alemã e o fim da luta na Itália, Atratino voltou à ravina onde deixara o amigo. A neve e o frio haviam conservado Duarte. Em 9 de maio, ele enterrou o tenente em Pistóia, com os demais mortos da FEB.
Postar um comentário