sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Influência dos negros africanos na vida social do Brasil, por Euza Lisboa





O Brasil teve grande influência dos negros africanos na vida social, econômica e cultural.Nas CRIANÇAS.
Nas famílias da época da escravidão, eram as criadas que criavam e amamentavam os filhos das família: a ama negra dava de mamar ao menino branco,o embalava no berço e ensinava as primeiras palavras e as cantigas de ninar, transmitia histórias, lendas, contos, mitos, deuses e animais encantados vindos das suas origens.
Na grande massa negra de escravos a ama-de-leite ou mãe preta gozava de uma posição privilegiada. Por ter essa função, recebia cuidados especiais e era particularmente amada pelas crianças brancas."A pequena Maria da Glória, de cinco anos, por exemplo, guardava habitualmente um pouco de sua sobremesa para sua ama, uma jovem e linda mulata..." conta Ina von Binzer, professora alemã que viveu no Brasil no fim do século XIX.Por seu contato direto com "nhonhôs" e "sinhazinhas", a ama-de-leite exercia uma influência marcante sobre os jovens corações, criadas a distância de seus pais.Amamentando o filho do senhor, embalando-o em rede ou no berço, preparando-lhe a comida, ensinando-o a falar e a andar, a mãe preta criou um modo de influências culturais sobre o brasileiro em formação, que sobreviveu à escravidão."Foram as negras que tornaram entre nós as grandes contadoras de histórias (...). A linguagem infantil também aqui amoleceu ao contato da criança com a ama negra," , afirma Gilberto Freire. 
Palavras africanas foram incorporadas ao nosso vocabulário pelas amas-de-leite.Nas grandes cidades, era comum as famílias recorrerem a anúncios de jornal quando precisavam de amas-de-leite.Alguns proprietários alugavam essas escravas, descrevendo-lhes as qualidades em anúncios. 
Havia até casos em que uma sinhá grávida era presenteada com uma ama Os filhos das senhoras de escravos brincavam com os filhos das negras escravas de montar a cavalo em carneiros, nadar nos rios e represas, matar passarinhos, empinar papagaio, jogar Depois dos sete anos, as crianças eram obrigadas a se comportar como se fossem adultos, vestindo pesadas roupas semelhantes as dos adultos: "fornos ambulantes",. As crianças chamavam seus pais de Senhor Pai e Senhora Mãe. Os meninos brincavam com os meninos negros de "faz-de-conta", de mucama, de Senhora mandando nas criadas e de bonecas.  

FONTE DE PESQUISA:Coleção Atlas do Estudante.Afrodescendentes. p. 18 e 19Editora Didática Paulista Ltda. Rua da Gávea, 553. Vila Maria. CEP:02121-020 - São Paulo/SP www.didatica.com.br Editora Didatica www.didatica.com.br

* Euza Lisboa, Mestranda em Ciências da Educação, Psicopedagoga e Professora da rede municipal de Maceió/AL.
Postar um comentário