domingo, 9 de outubro de 2011

Entrevista com Arísia Barros, coordenadora do Projeto Raízes de Áfricas- movimento social negro em Alagoas.








1-Porque  essa temática afro é tão importante, agora abordada num encontro internacional?

O racismo no Brasil age como sujeito silencioso e invisível partindo desse pressuposto, entendemos   que é preciso ampliar estrategicamente os espaços políticos  de discussão , visando partilhar fatos, propor soluções, caminhar agregando experiências diferenciadas.
O I Seminário Afro-Internacional Ìkà We Ìmò! Leitura e Saber  traz o propósito de ao reunir diferentes experiências nacionais e afro-internacionais criar espaços por  excelência que  estimulem a eficácia e efetividade das políticas públicas relativas a população negra, em sintonia com os acordos internacionais dos quais  o Brasil é signatário,  como a Conferência Mundial Contra Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, ocorrida em 2001, em Durban/Africa do Sul, quando o Brasil comprometeu-se, como um país multirracial e pluriétnico investir afirmativamente na qualidade de vida  da população negra e indígenas.

2)Em 2009 tivemos também um encontro internacional na Bienal. O público foi bem menos que o esperado. A que a Srª atribui essa falta de interesse do público em geral pelo tema africanidade?

De 2009 até os dias atuais temos tido, como movimento social negro, uma caminhada persistente fazendo da implementação da Lei nº 10.639/03, a ferramenta de articulação para a promoção do conhecimento antirracista, seja nas escolas, como nos muitos cantos e recantos sociais.
Estamos gradativamente, a partir de uma dinâmica de ação, agregando  as muitas gentes diferenciadas.
Nosso público é composto, ultimamente, na sua grande maioria por universitári@s das universidades federal e estadual, como também das faculdades particulares, professor@s, advogados, etc,etc
A participação permanente desse público tem sido para nós uma clara demonstração de que estamos saindo de lugares previamente estabelecidos e assumindo os espaços da academia.
 Em nosso último encontro, o II Ciclo Nacional de Conversas Negras Agosto Negro ou o que a História Oficial Ainda Não Conta” ocorrido em agosto do corrente ano, tivemos um expressivo  público de 390 pessoas.
Estamos, na verdade, promovendo experiências de agregar pessoas em torno de um interesse comum: a busca de uma sociedade sem o estigma do apartheid aos ditos “diferentes” dentre eles  a população negra. 

3)Além de palestras e discussões, livros serão lançados a partir do encontro internacional, na Bienal?

A programação do I Seminário Afro-Internacional Ìkà We Ìmò! Leitura e Saber consta de conferência, mesas e painéis centrados nas experiências da produção de significados afirmativos para a história africana e afrobrasileira nos currículos das escolas de educação básica e ensino superior brasileiras.
 Uma das mesas redondas denominada: “A Coleção História Geral da África em Português e o processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África” marca o lançamento oficial, em Alagoas, da Coleção História Geral da África.
A coleção História Geral da África é um dos projetos editoriais mais importantes da UNESCO dos últimos trinta anos e um grande marco no processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África, pois ela permite compreender o desenvolvimento histórico dos povos africanos e sua relação com outras civilizações a partir de uma visão panorâmica, diacrônica e objetiva, obtida de dentro do continente. A coleção, com 8 volumes, foi produzida por mais de 350 especialistas das mais variadas áreas do conhecimento, sob a direção de um Comitê Científico Internacional formado por 39 intelectuais, dos quais dois terços são africanos.

 As inscrições para o I Seminário Afro-Internacional Ìkà We Ìmò! Leitura e Saber estão abertas , são gratuitas e podem ser feitas através raizesdeafricas@gmail.com.


 Agradecemos a professora Arísia Barros pela gentiliza como nos atendeu. Torcer para que o Seminário seja um sucesso, como tudo que ela organiza. Lembrando a nossos leitores, que o Seminário acontecerá durante a Bienal Internacional do Livro de Alagoas, Centro de Convenções, de 21 a 30 deste mês de Outubro/2011.
Postar um comentário